SANGRIA NA CAIXA

19 de abril de 2014

É simplesmente devastadora a gestão do marketing da CAIXA. Desde LULA, e agora com DILMA, a CAIXA não investe em comunicação. Dá dinheiro para milhares de veículos de comunicação pelo Brasil, e, agora, leio no ESTADÃO, patrocina, sem o menor critério dezenas de clubes pelo país. Muitas vezes, as agências que trabalham para a CAIXA tem dificuldade em localizar o veículo de comunicação onde receberam ordem de colocar anúncios. E depois, dificuldade ainda maior em receber a documentação exigida pela legislação. Depois de conseguir a façanha de provocar a primeira corrida de depositantes à CAIXA, por um erro bisonho e medíocre de comunicação, agora a CAIXA deixou de ser uma instituição financeira para se converter em instituição beneficiente dos afilhados das lideranças petistas por todo o BRASIL. Aonde o PT põe a mão vira terra arrazada.

A TRAVESSIA DA PONTE: DO VALE TUDO À CAMINHO DA ÉTICA

18 de abril de 2014

A travessia não é fácil. O caminho é íngreme, tortuoso, desafiador. Mas precisa ser percorrido. O compromisso em direção a ética é inegociável, definitivo, sem retorno. Ainda que com pequenas concessões, a marcha segue.

Na edição da CEO EXAME – UM MUNDO MAIS ÉTICO – os desafios de uma grande companhia, no relato de MELINA COSTA.”A fabricante francesa de cosméticos LÓREAL figurou cinco vezes na lista de empresas mais éticas do ETHISPHERE. Para qualquer aspecto da organização que se olhe, parece haver uma política de estímulo à ética. Exemplos, até 2020 100% da matéria-prima renovável da LÓREAL deverá ter origem em fontes sustentáveis; e todos os anos há uma dia da ética para o presidente JEAN PAUL AGON responder a perguntas de funcionários sobre o tema. Mas mesmo as empresas mais preparadas não estão isentas de DILEMAS ÉTICOS. Desde 1989, a L´OREAL não testa seus produtos em animais e passou a investir na pesquisa de métodos alternativos, como o uso de pele artificial. O problema é que na CHINA, um dos mercados de cosméticos que mais crescem no mundo, o teste em animais É OBRIGATÓRIO. O próprio governo chinês realiza os testes – não a L´OREAL diretamente. Assim a empresa decidiu deixar de lado sua marca de apelo sustentável BODY SHOP fora do mercado chinês, e entrou no país com marcas como L´OREAL PARIS e MAYBELLINE…”

E ai vem a pergunta, durante a travessia em direção a um mundo novo, plano, colaborativo, e, essencialmente ético, que MELINA coloca, “O que é ético nesse caso? É sustentar o princípio de não crueldade contra os animais que a L´OREAL adota há mais de 20 anos? Ou, o importante é assegurar a participação no mercado chinês, e que pode ter um impacto brutal no futuro da companhia?”

A resposta encontrada e dada pela L´OREAL, através de seu diretor de ética, EMMANUEL LULIN, “Acredito que ninguém esteja sugerindo que deixemos nossa operação em CHINA e demitamos 4.000 funcionários. Nosso departamento de pesquisa e inovação está trabalhando com as autoridades chinesas para dividir nosso conhecimento a respeito de outros métodos”. E, ponderou, para a reflexão de todos, “Se as corporações atuassem apenas em países com as melhores práticas de negócios ou sem problemas com direitos humanos e corrupção, provavelmente faríamos negócios em poucos países do mundo”.

Ou seja, a travessia é longa, penosa, cheia de dúvidas, e pedindo novas e consistentes decisões a todos os momentos. Mas, muito em breve, teremos corporações que independente de qualquer outra consideração, colocarão seus compromissos éticos muito acima de qualquer outro valor. Caso contrário, não valerá a pena empreender.

NADA PRA FAZER E 29,90 NO BOLSO

18 de abril de 2014

Se você ficou por São Paulo, já viu as peças e filmes em exibição, e dispõe de uma graninha e tempo, mais que recomendo. Dê um pulo a uma banca de jornais e revistas e compre a edição 17 da revista CEO EXAME. Trata inteirinha e com qualidade, da questão com que todos nós nos defrontamos neste momento: ÉTICA. Construção de um novo mundo final e essencialmente ético. ANDRÉ LAHÓZ, em sua introdução ao tema – carta ao leitor – lembra, “Nos últimos tempos tornou-se impossível pegar um jornal e não topar com uma notícia de corrupção na primeira página. Fraude, propina, sonegação, lavagem de dinheiro, nepotismo – diariamente somos bombardeados pelo repertório de maldades que a mente humana não se cansa de produzir”. Porém, e onde muitos vêem motivos para desalento e desesperança, ANDRÉ identifica luz: “O ponto positivo é que a farta divulgação dos casos de corrupção não deixa de ser um sinal de avanço. A Justiça está mais atuante, a imprensa cumpre seu papel e a população se mostra mais consciente”. É isso, queridos amigos. Mais que chegou a hora de arregaçarmos as mangas e darmos um jeito neste pobre Brasil. Em outros posts voltarei a comentar outras matérias desta edição de CEO EXAME, mas, reitero minha recomendação. Ótimo material de leitura, reflexão, e estimulo para seguirmos em frente.

GUERRA ÀS BALANÇAS, TERMOMETROS, FITAS MÉTRICAS, POLÍGRAFOS, PAQUÍMETROS, MICRÔMETROS, TEODOLITOS, BARÔMETRO, RÉGUA, VELOCIMETRO…

18 de abril de 2014

Cansados dos instrumentos convencionais e consagrados de pesos e medidas, que, invariavelmente apontavam os erros e fracassos de suas ações decorrentes de miopia crônica e ideologia tacanha, o PT, além de instaurar no país a chamada CONTABILIDADE CRIATIVA, onde 10 de inflação, depois das falcatruas e alquimias vira 5,9 decidiu dar um basta a algumas instituições de respeito e confiança da população brasileira.

Primeiro decidiu desmoralizar o IPEA. E o fez de forma truculenta e impiedosa no correr das últimas décadas, culminando semanas atrás com o episódio lamentável da manipulação grosseira de dados. Agora, a bola da vez é, apenas, o IBGE. Isso mesmo, como os dados novos sobre desemprego contrariam as mentiras que vinham sendo alardeadas por DILMA, MANTEGA e outros membros do governo, a ordem é 1 – NÃO DIVULGAR MAIS OS DADOS, e, 2 – MUDAR A METODOLOGIA, leia-se, os culpados são a balança, o termômetro, as fitas métricas e reguas… e não uma gestão incompetente e temerária.

Aguarda-se nos próximos dias uma debandada de técnicos do IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA -, outra das Instuições orgulho do povo brasileiro que está sendo enterrada na lama.

LEMBRA DA MAIOR CONQUISTA TECNOLÓGICA DO BRASIL… “POLÍTICA ECONÔMICA DE DILMA ESTÁ DESTRUINDO O ETANOL”

14 de abril de 2014

Em matéria da FOLHA de hoje, ELIZABETH FARINA, presidente  da ÚNICA – União da Indústria Brasileira de Cana-de-Açúcar denúncia, “A indústria do etanol vive a maior crise de sua história e a responsável é a política econômica do governo DILMA ROUSSEFF… Ao longo de cinco safras recentes, 44 usinas fecharam. Das usinas atuantes, há 33 em recuperação judicial e 12 não vão moer cana este ano”.

Segundo ELIZABETH, “As políticas de controle de preço da gasolina e de redução da Contribuição de Intervenção no Domínio Público – CIDE – foram mortais para o setor… Hoje ninguém duvida que a política econômica está quebrando o setor. Tem gerado sequelas na PETROBRAS, no etanol e em toda a área da energia”.

Antes de sair, e nesse ritmo, DILMA não deixará pedra sobre pedra.

UM ESCÁRNIO

14 de abril de 2014

A CARNIFICINA perpetrada por ABILIO e sua galera na BRF, e magistralmente documentada pela EXAME que se encontra nas bancas, tem um início devastador, sádico, indecoroso, injustificável. O matador preparando-se para sangrar o touro: “Passava das 11 da noite de 10 de fevereiro quando CLAUDIO GALEAZZI concluiu que, para pegar no sono, precisava da ajuda de uma garrafa de vinho. Caminhou até sua adega e abriu um CHATEAU LAFITE  ROTHSCHILD (safra 1989), que, tido como um dos melhores do mundo, custa pelo menos 7000 reais. Tomou meia garrafa, guardou o resto na geladeira e voltou para o quarto. Mas, mesmo anestesiado pelo álcool, rolou na cama, insone, até o início da manhã do dia seguinte”. A partir daí começava a carnificina que implicaria na demissão de milhares de pessoas, no corte de brilhantes e leais colaboradores, na dilaceração da empresa, e no assassinato de marcas legendárias.  Se você acredita nesse tipo de atitude, se você é adepto de carnificinas, talvez se divirta muito lendo toda a reportagem. Eu acho um horror, não acredito nesse tipo de milagre, e alguém deveria ser criminalmente responsabilizado pelo que sobrar de duas das nossas melhores e mais importantes marcas, construídas por colaboradores apaixonados e abnegados, no correr de muitas décadas – SADIA e PERDIGÃO – daqui a 10 anos. Empresas mutiladas para sempre… Monstros ambulantes…

MAURO PAULINO, ALÉM DE DETONAR, MANDOU REFAZER…

13 de abril de 2014

MAURO PAULINO, todo poderoso do DATAFOLHA, além de detonar o IPEA nas amarelas de VEJA e culpar aquela instituição por causar um estrago enorme na imagem das pesquisas, mandou refazer, em São Paulo, a pergunta que provocou toda a polêmica: MULHERES QUE USAM ROUPAS QUE MOSTRAM O CORPO MERECEM SER ATACADAS? Como todos se lembram, o IPEA disse que 65% dos entrevistados responderam sim; e, dias depois, pedindo desculpas “pela nossa falha”, disse que o número correto era 26%. A pesquisa do DATAFOLHA revela que esse número, na cidade de São Paulo, é 12%. Ou seja, finalmente, mais próximos da realidade. MAS, UM ESCÂNDALO. Significa que as chances de sua mãe, irmã, namorada, mulher, prima, conhecida, filha, ser atacada por usar uma saia mais curta ou um vestido decotado, é de 1 em 10. De cada 10 pessoas que passarem por ela, uma está mais que tentada a voar em seu pescoço, para dizer o mínimo. Sem falar no repertório de palavrões.

HOMENS BOMBAS

12 de abril de 2014

Neste momento o governo defronta-se com 3 homens bombas. Dois presos, e um solto. Ao solto, deputado ANDRÉ VARGAS, o PT deu um ultimato: “ou renuncia, ou será expulso do partido”. ANDRÉ VARGAS mandou o partido para aquele lugar, pediu uma licença de sessenta dias do cargo de deputado, e apontou sua artilharia em direção ao ex-Ministro da Saúde, ALEXANDRE PADILHA, e ao casal 20 PAULO BERNARDO e GLEISI HOFFMANN. Na veja de hoje a íntegra de sua munição: “O ministro – PAULO BERNARDO – seria o intermediário de contratos entre o grupo SCHAHIN, recorrente em escândalos petistas, e a PETROBRAS. BERNARDO teria recebido uma corretagem por isso e repassada pelo BETO (Alberto Yousseff, doleiro preso). Nas conversas com deputados, VARGAS também citou como algo que o PT não gostaria de ver revelado o caso AGENCIA HEADS PROPAGANDA do Paraná – A HEADS É ESQUEMA DELES – GLEISI e PAULO BERNARDO. Na gestão DILMA a agência tornou-se líder em verbas relacionadas ao governo”. Os outros dois homens bombas, o próprio doleiro preso mais o ex-diretor da PETROBRAS, também preso, PAULO ROBERTO COSTA, prometem falar nas próximas semanas. Uma hora, um dos 3 bombas explodem, por mais que LULA tente evitar que isso aconteça…

PLAYBOY, QUEM DIRIA…

12 de abril de 2014

Caindo pelas ladeiras, aquela que um dia foi uma publicação revolucionária, emblemática pelo conteúdo e desejada e aguardada pelas artistas da capa e a começar por uma MARILYN, hoje chega a causar pena. Quase um circo abandonado onde os animais fugiram para não morrer de fome e o palhaço só faz chorar. Na edição das bancas, a grande atração é o lamentável PASTOR FELICIANO, que fala sobre sexo anal, e drogas: “Com certeza tem homens que têm tara por ânus…”, e, “Conheci a cocaína nos bailinhos, no fim dos 12 anos. Só a cocaína. Eu tentei a maconha, mas engasguei… com a cocaína era fácil”. Na capa, você escolhe a que quer. Uma com uma tal de GABY POTÊNCIA (?!)… quem? E a outra com a ativista do Greenpeace ANA PAULA MACIEL ao natural… Tédio e tristeza em dose dupla.

MAURO PAULINO, DIRETOR DO DATAFOLHA, DETONA O IPEA

12 de abril de 2014

Nas amarelas de VEJA de hoje, MAURO PAULINO, DIRETOR DO DATAFOLHA, aponta o dedo e acusa o IPEA de ERRO TÉCNICO, e comportamento INSTITUCIONAL calamitoso.

ERRO TÉCNICO: “Mesmo corrigidos os números continuam a suscitar dúvidas. A pesquisa domiciliar, da forma como o IPEA fez, distorce a amostragem. Eles ouvem os pesquisados em casa, durante o dia. Nesse horário é mais provável encontrar em casa pessoas velhas, mulheres e pessoas com baixa escolaridade. Esses perfis não são representativos da população brasileira. Na amostra de entrevistados do IPEA, mais de 65% são mulheres, enquanto a taxa real da população brasileira feminina é de 52%. Eu não concordo com quem dá valor a essas aferições meramente probabilísticas…”.

INSTITUCIONAL: “Foi um erro que manchou a credibilidade não só deles, mas de todos os institutos de pesquisa”.